Assuntos de Goiás TV

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Imposição interna motivou saída de Leão do São Caetano @Reinaldo_Cruz @Assuntosdegoias @R49_ @QB_7

Demitido do comando do São Caetano na manhã desta quinta-feira, o técnico Emerson Leão culpa pessoa com grande influência dentro do clube pela sua saída. Mesmo com a boa campanha na Série B do Campeonato Brasileiro – foram sete vitórias e três empates em doze jogos no comando do clube, números que deixam o Azulão na quinta colocação, a um ponto do G-4 – o treinador sucumbiu à pressão interna pela escalação de dois jogadores, imposição que, garante, não aceita de maneira alguma.

Emerson Leão é demitido do Azulão
“Eu não sei direito (o que aconteceu). O presidente Nairo (Ferreira) me ligou hoje. Primeiro eu gostaria de dizer que ele me ligou como amigo, muito chateado, dizendo que eu não iria viajar porque houve alguma coisa diferente com outro cara que manda lá dentro e eu não conheço. Trabalhei duas vezes no São Caetano e não o conheço”, revela Leão, em entrevista exclusiva à GE.NET.

Segundo o treinador, a divergência entre esta pessoa e o presidente Nairo Ferreira se deu por conta da pressão do primeiro na escalação de dois jogadores entre os titulares, atitude que Leão sempre criticou em todos os clubes em que trabalhou.

“Essa pessoa queria impor dois jogadores no time. O Nairo, inteligentemente, sabia que eu não iria aceitar, se desentendeu com ele e optou pelo que achou melhor, que foi minha saída”, relata.

Apesar da saída inesperada do comando do São Caetano, Leão garante que a relação com Nairo Ferreira segue a mesma. Desde a sua apresentação, no final de agosto, o treinador sempre fez questão de deixar claro que o presidente do Azulão era seu amigo pessoal.

“Não ficam mágoas com o Nairo. Ele é meu amigo, é uma pessoa legal que veio na minha casa e pediu para eu ajudar o clube até o final do ano. Ele não tem culpa nenhuma”, afirma.

Em sua apresentação, Leão elogiou o seu sucessor, Sérgio Guedes, técnico demitido após a goleada por 4 a 1 sofrida diante do ASA, na 20ª rodada. Apesar de Guedes ter sua saída justificada pelos maus resultados, o treinador acredita que as duas demissões foram causadas pelo mesmo motivo.

“Acho que existem semelhanças. Os dois e suas respectivas multas são os dois principais motivos dos gastos atuais do São Caetano”, brinca.

Boa Tarde! @R49_ @QBTV2 @Goias_EC @BUGEsporte @Reinaldo_Cruz @Assuntosdegoias @Questao_Brasil_ @QB_7

sábado, 20 de outubro de 2012

Wagner Siqueira propôs audiência pública p debater venda de áreas do Estado Seg às 8h @Reinaldo_Cruz


Venda de áreas públicas
Por iniciativa de Wagner Siqueira, audiência pública debaterá venda de áreas públicas, na segunda-feira, 22, às 8 horas.
Deputado Wagner Siqueira (PMDB)
Conforme foi anunciado pelo até então líder do Governo na Assembleia, deputado Helder Valin (PSDB), em resposta à preocupação da bancada oposicionista em relação ao projeto de lei nº 3.478/12, que autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual, será realizada na Assembleia uma audiência pública para debater a questão.

O encontro será na segunda-feira, 22, às 8 horas, no Auditório Solon Amaral. A iniciativa é da Comissão de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, presidida pelo deputado Wagner Siqueira (PMDB), e será realizada com o tema “A Alienação de Imóveis do Governo do Estado”.

Na oportunidade, serão debatidas as maneiras como será feita a arrecadação de recursos para a implantação do Plano de Ação Integrado de Desenvolvimento (PAI), principalmente no que envolve o projeto que trata da venda de imóveis públicos. A matéria já foi alvo de vários embates na Casa e, diante da complexidade do tema, surgiu a necessidade de uma audiência para tratar da questão, antes que ela seja votada pelos parlamentares.

O projeto

O texto do processo nº 3.478/12, encaminhado à Assembleia pela Governadoria do Estado, se aprovado, autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual. Esses imóveis passarão da qualidade de uso especial, ou seja, aqueles que são utilizados pelo próprio Poder Público para o cumprimento de suas funções, como as repartições públicas, por exemplo, para bens de uso dominical, ou seja, aqueles que são utilizados pelo Estado com fim econômico, como imóveis desocupados, por exemplo.

Ao todo, constam do projeto, a alienação de 12 áreas estaduais em vários bairros da Capital, totalizando aproximadamente 40 mil metros quadrados. Os recursos provenientes da venda serão utilizados na implantação de projetos de desenvolvimento econômico regional em Goiás, considerando o potencial turístico, industrial, logístico, de serviços e varejo dos municípios goianos.

Segundo justificativa apresentada no projeto, a demanda é originária da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), órgão competente para administrar o patrimônio do Estado, que entende como desnecessários os referidos bens à execução dos serviços administrativos e públicos em geral.

As áreas a serem alienadas que constam da matéria são:

Área I – Área urbana com 4.560 m2 localizada no Setor Pedro Ludovico em, Goiânia;

Área II – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área III – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área IV – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área V – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área VI – Área urbana com 1.257,78 m2 localizada à Avenida B e Avenida Anhanguera do Setor Vila Moraes em Goiânia;

Área VII – Área urbana com 7.750 m2 localizada no Setor Jardim Europa em Goiânia;

Área VIII – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área IX – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área X – Área urbana com 1.700 m2 localizada à Rua 67, zona residencial, no Setor Leste em Goiânia;

Área XI – Área urbana com 503,42 m2 localizada à Rua 1.038 do Setor Pedro Ludovico, em Goiânia;

Área XII – Área urbana com 21.455,69 m2 localizada à Avenida SC01 entre a Rua Naoqui e a Avenida Bela Vista no Parque Acalanto, em Goiânia.



Fonte: Assembleia Legislativa de Goiás


Segunda Feira 8h na ALEGO: Audiência Pública c/o tema “A Alienação de Imóveis do Governo do Estado”


Venda de áreas públicas
Por iniciativa de Wagner Siqueira, audiência pública debaterá venda de áreas públicas, na segunda-feira, 22, às 8 horas.
Deputado Wagner Siqueira (PMDB)
Conforme foi anunciado pelo até então líder do Governo na Assembleia, deputado Helder Valin (PSDB), em resposta à preocupação da bancada oposicionista em relação ao projeto de lei nº 3.478/12, que autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual, será realizada na Assembleia uma audiência pública para debater a questão.

O encontro será na segunda-feira, 22, às 8 horas, no Auditório Solon Amaral. A iniciativa é da Comissão de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, presidida pelo deputado Wagner Siqueira (PMDB), e será realizada com o tema “A Alienação de Imóveis do Governo do Estado”.

Na oportunidade, serão debatidas as maneiras como será feita a arrecadação de recursos para a implantação do Plano de Ação Integrado de Desenvolvimento (PAI), principalmente no que envolve o projeto que trata da venda de imóveis públicos. A matéria já foi alvo de vários embates na Casa e, diante da complexidade do tema, surgiu a necessidade de uma audiência para tratar da questão, antes que ela seja votada pelos parlamentares.

O projeto

O texto do processo nº 3.478/12, encaminhado à Assembleia pela Governadoria do Estado, se aprovado, autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual. Esses imóveis passarão da qualidade de uso especial, ou seja, aqueles que são utilizados pelo próprio Poder Público para o cumprimento de suas funções, como as repartições públicas, por exemplo, para bens de uso dominical, ou seja, aqueles que são utilizados pelo Estado com fim econômico, como imóveis desocupados, por exemplo.

Ao todo, constam do projeto, a alienação de 12 áreas estaduais em vários bairros da Capital, totalizando aproximadamente 40 mil metros quadrados. Os recursos provenientes da venda serão utilizados na implantação de projetos de desenvolvimento econômico regional em Goiás, considerando o potencial turístico, industrial, logístico, de serviços e varejo dos municípios goianos.

Segundo justificativa apresentada no projeto, a demanda é originária da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), órgão competente para administrar o patrimônio do Estado, que entende como desnecessários os referidos bens à execução dos serviços administrativos e públicos em geral.

As áreas a serem alienadas que constam da matéria são:

Área I – Área urbana com 4.560 m2 localizada no Setor Pedro Ludovico em, Goiânia;

Área II – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área III – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área IV – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área V – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área VI – Área urbana com 1.257,78 m2 localizada à Avenida B e Avenida Anhanguera do Setor Vila Moraes em Goiânia;

Área VII – Área urbana com 7.750 m2 localizada no Setor Jardim Europa em Goiânia;

Área VIII – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área IX – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área X – Área urbana com 1.700 m2 localizada à Rua 67, zona residencial, no Setor Leste em Goiânia;

Área XI – Área urbana com 503,42 m2 localizada à Rua 1.038 do Setor Pedro Ludovico, em Goiânia;

Área XII – Área urbana com 21.455,69 m2 localizada à Avenida SC01 entre a Rua Naoqui e a Avenida Bela Vista no Parque Acalanto, em Goiânia.



Fonte: Assembleia Legislativa de Goiás


Wagner Siqueira propôs audiência pública p debater venda de áreas do Estado Seg às 8h @Reinaldo_Cruz


Venda de áreas públicas
Por iniciativa de Wagner Siqueira, audiência pública debaterá venda de áreas públicas, na segunda-feira, 22, às 8 horas.
Deputado Wagner Siqueira (PMDB)
Conforme foi anunciado pelo até então líder do Governo na Assembleia, deputado Helder Valin (PSDB), em resposta à preocupação da bancada oposicionista em relação ao projeto de lei nº 3.478/12, que autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual, será realizada na Assembleia uma audiência pública para debater a questão.

O encontro será na segunda-feira, 22, às 8 horas, no Auditório Solon Amaral. A iniciativa é da Comissão de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, presidida pelo deputado Wagner Siqueira (PMDB), e será realizada com o tema “A Alienação de Imóveis do Governo do Estado”.

Na oportunidade, serão debatidas as maneiras como será feita a arrecadação de recursos para a implantação do Plano de Ação Integrado de Desenvolvimento (PAI), principalmente no que envolve o projeto que trata da venda de imóveis públicos. A matéria já foi alvo de vários embates na Casa e, diante da complexidade do tema, surgiu a necessidade de uma audiência para tratar da questão, antes que ela seja votada pelos parlamentares.

O projeto

O texto do processo nº 3.478/12, encaminhado à Assembleia pela Governadoria do Estado, se aprovado, autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual. Esses imóveis passarão da qualidade de uso especial, ou seja, aqueles que são utilizados pelo próprio Poder Público para o cumprimento de suas funções, como as repartições públicas, por exemplo, para bens de uso dominical, ou seja, aqueles que são utilizados pelo Estado com fim econômico, como imóveis desocupados, por exemplo.

Ao todo, constam do projeto, a alienação de 12 áreas estaduais em vários bairros da Capital, totalizando aproximadamente 40 mil metros quadrados. Os recursos provenientes da venda serão utilizados na implantação de projetos de desenvolvimento econômico regional em Goiás, considerando o potencial turístico, industrial, logístico, de serviços e varejo dos municípios goianos.

Segundo justificativa apresentada no projeto, a demanda é originária da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), órgão competente para administrar o patrimônio do Estado, que entende como desnecessários os referidos bens à execução dos serviços administrativos e públicos em geral.

As áreas a serem alienadas que constam da matéria são:

Área I – Área urbana com 4.560 m2 localizada no Setor Pedro Ludovico em, Goiânia;

Área II – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área III – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área IV – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área V – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área VI – Área urbana com 1.257,78 m2 localizada à Avenida B e Avenida Anhanguera do Setor Vila Moraes em Goiânia;

Área VII – Área urbana com 7.750 m2 localizada no Setor Jardim Europa em Goiânia;

Área VIII – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área IX – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área X – Área urbana com 1.700 m2 localizada à Rua 67, zona residencial, no Setor Leste em Goiânia;

Área XI – Área urbana com 503,42 m2 localizada à Rua 1.038 do Setor Pedro Ludovico, em Goiânia;

Área XII – Área urbana com 21.455,69 m2 localizada à Avenida SC01 entre a Rua Naoqui e a Avenida Bela Vista no Parque Acalanto, em Goiânia.



Fonte: Assembleia Legislativa de Goiás


Segunda Feira 8h na ALEGO: Audiência Pública c/o tema “A Alienação de Imóveis do Governo do Estado”


Venda de áreas públicas
Por iniciativa de Wagner Siqueira, audiência pública debaterá venda de áreas públicas, na segunda-feira, 22, às 8 horas.
Deputado Wagner Siqueira (PMDB)
Conforme foi anunciado pelo até então líder do Governo na Assembleia, deputado Helder Valin (PSDB), em resposta à preocupação da bancada oposicionista em relação ao projeto de lei nº 3.478/12, que autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual, será realizada na Assembleia uma audiência pública para debater a questão.

O encontro será na segunda-feira, 22, às 8 horas, no Auditório Solon Amaral. A iniciativa é da Comissão de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, presidida pelo deputado Wagner Siqueira (PMDB), e será realizada com o tema “A Alienação de Imóveis do Governo do Estado”.

Na oportunidade, serão debatidas as maneiras como será feita a arrecadação de recursos para a implantação do Plano de Ação Integrado de Desenvolvimento (PAI), principalmente no que envolve o projeto que trata da venda de imóveis públicos. A matéria já foi alvo de vários embates na Casa e, diante da complexidade do tema, surgiu a necessidade de uma audiência para tratar da questão, antes que ela seja votada pelos parlamentares.

O projeto

O texto do processo nº 3.478/12, encaminhado à Assembleia pela Governadoria do Estado, se aprovado, autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual. Esses imóveis passarão da qualidade de uso especial, ou seja, aqueles que são utilizados pelo próprio Poder Público para o cumprimento de suas funções, como as repartições públicas, por exemplo, para bens de uso dominical, ou seja, aqueles que são utilizados pelo Estado com fim econômico, como imóveis desocupados, por exemplo.

Ao todo, constam do projeto, a alienação de 12 áreas estaduais em vários bairros da Capital, totalizando aproximadamente 40 mil metros quadrados. Os recursos provenientes da venda serão utilizados na implantação de projetos de desenvolvimento econômico regional em Goiás, considerando o potencial turístico, industrial, logístico, de serviços e varejo dos municípios goianos.

Segundo justificativa apresentada no projeto, a demanda é originária da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), órgão competente para administrar o patrimônio do Estado, que entende como desnecessários os referidos bens à execução dos serviços administrativos e públicos em geral.

As áreas a serem alienadas que constam da matéria são:

Área I – Área urbana com 4.560 m2 localizada no Setor Pedro Ludovico em, Goiânia;

Área II – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área III – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área IV – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área V – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área VI – Área urbana com 1.257,78 m2 localizada à Avenida B e Avenida Anhanguera do Setor Vila Moraes em Goiânia;

Área VII – Área urbana com 7.750 m2 localizada no Setor Jardim Europa em Goiânia;

Área VIII – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área IX – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área X – Área urbana com 1.700 m2 localizada à Rua 67, zona residencial, no Setor Leste em Goiânia;

Área XI – Área urbana com 503,42 m2 localizada à Rua 1.038 do Setor Pedro Ludovico, em Goiânia;

Área XII – Área urbana com 21.455,69 m2 localizada à Avenida SC01 entre a Rua Naoqui e a Avenida Bela Vista no Parque Acalanto, em Goiânia.



Fonte: Assembleia Legislativa de Goiás


Por iniciativa de Wagner Siqueira, audiência pública debaterá venda de áreas públicas, Segunda às 8h


Venda de áreas públicas
Por iniciativa de Wagner Siqueira, audiência pública debaterá venda de áreas públicas, na segunda-feira, 22, às 8 horas.
Deputado Wagner Siqueira (PMDB)
Conforme foi anunciado pelo até então líder do Governo na Assembleia, deputado Helder Valin (PSDB), em resposta à preocupação da bancada oposicionista em relação ao projeto de lei nº 3.478/12, que autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual, será realizada na Assembleia uma audiência pública para debater a questão.

O encontro será na segunda-feira, 22, às 8 horas, no Auditório Solon Amaral. A iniciativa é da Comissão de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, presidida pelo deputado Wagner Siqueira (PMDB), e será realizada com o tema “A Alienação de Imóveis do Governo do Estado”.

Na oportunidade, serão debatidas as maneiras como será feita a arrecadação de recursos para a implantação do Plano de Ação Integrado de Desenvolvimento (PAI), principalmente no que envolve o projeto que trata da venda de imóveis públicos. A matéria já foi alvo de vários embates na Casa e, diante da complexidade do tema, surgiu a necessidade de uma audiência para tratar da questão, antes que ela seja votada pelos parlamentares.

O projeto

O texto do processo nº 3.478/12, encaminhado à Assembleia pela Governadoria do Estado, se aprovado, autoriza a venda de vários imóveis de propriedade estadual. Esses imóveis passarão da qualidade de uso especial, ou seja, aqueles que são utilizados pelo próprio Poder Público para o cumprimento de suas funções, como as repartições públicas, por exemplo, para bens de uso dominical, ou seja, aqueles que são utilizados pelo Estado com fim econômico, como imóveis desocupados, por exemplo.

Ao todo, constam do projeto, a alienação de 12 áreas estaduais em vários bairros da Capital, totalizando aproximadamente 40 mil metros quadrados. Os recursos provenientes da venda serão utilizados na implantação de projetos de desenvolvimento econômico regional em Goiás, considerando o potencial turístico, industrial, logístico, de serviços e varejo dos municípios goianos.

Segundo justificativa apresentada no projeto, a demanda é originária da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), órgão competente para administrar o patrimônio do Estado, que entende como desnecessários os referidos bens à execução dos serviços administrativos e públicos em geral.

As áreas a serem alienadas que constam da matéria são:

Área I – Área urbana com 4.560 m2 localizada no Setor Pedro Ludovico em, Goiânia;

Área II – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área III – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área IV – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área V – Área urbana com 480 m2 localizada à 1ª Avenida do Setor Vila Nova, em Goiânia;

Área VI – Área urbana com 1.257,78 m2 localizada à Avenida B e Avenida Anhanguera do Setor Vila Moraes em Goiânia;

Área VII – Área urbana com 7.750 m2 localizada no Setor Jardim Europa em Goiânia;

Área VIII – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área IX – Área urbana com 423 m2 localizada à Rua 67-B, zona industrial, no Setor Norte em Goiânia;

Área X – Área urbana com 1.700 m2 localizada à Rua 67, zona residencial, no Setor Leste em Goiânia;

Área XI – Área urbana com 503,42 m2 localizada à Rua 1.038 do Setor Pedro Ludovico, em Goiânia;

Área XII – Área urbana com 21.455,69 m2 localizada à Avenida SC01 entre a Rua Naoqui e a Avenida Bela Vista no Parque Acalanto, em Goiânia.



Fonte: Assembleia Legislativa de Goiás


Avaí 1x4 Goiás @Reinaldo_Cruz @Assuntosdegoias @Questao_Brasil_ @QBTV2 @BUGEsporte @R49_ @Goias_EC

Amaral, duas vezes, e Renan Oliveira marcaram de cabeça. Walter, já na etapa complementar, fechou a conta. O Goiás chegou aos 64 pontos, ultrapassou o Vitória e assumiu a vice-liderança. A equipe goiana terá de secar o Rubro-Negro baiano, que recebe o Atlético-PR neste sábado, se quiser permanecer em segundo. Porém, qualquer resultado será benéfico aos esmeraldinos, pois o Furacão também luta por uma vaga no G-4. O Goiás é o melhor time do segundo turno, com dez vitórias em 12 jogos, e volta a campo terça-feira, as 19h30m (de Brasília), contra o Asa, em Goiânia.
A intenção do Avaí era vencer para tentar iniciar um último embalo e ainda sonhar com a possibilidade de retorno à Série A. Porém, talvez não houvesse adversário pior para o momento. O Leão de Santa Catarina mediu forças contra o Goiás, em casa, mas sucumbiu diante da enorme eficiência e sintonia do adversário. Mesmo sem serem brilhantes, os visitantes venceram por 4 a 1, com três gols no primeiro tempo, e se mantiveram firmes na luta pelo título da Segundona.


terça-feira, 16 de outubro de 2012

CONFIRMADO! PITBULL FARÁ SHOW EM GOIÂNIA SEXTA, DIA 19 @Reinaldo_Cruz @QBTV2 @Assuntosdegoias @R49_

Pitbull em Goiânia

Nesta terça-feira (16/10), a P9 Promoções e Produções Artísticas Ltda, empresa organizadora do evento Balada Internacional com o rapper americano Pitbull e o cantor Gustavo Lima assinou, às 14:00 horas, na sala T-8, no Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), o termo de ajuste de Conduta (TAC) com oCoordenador do Centro de Apoio Operacional do Consumidor, o promotor Érico de Pina Cabral. Ficou acordado que um novo show com Pitbull será realizado nesta sexta-feira (19/10), no Atlanta Music Hall. Os portões serão abertos as 21:00 horas e o show deverá começar até 24:00 horas.

Os ingressos válidos para a entrada deste novo show são os mesmos entregues na saída do evento de domingo. Serão preservadas as diferenças de áreas no local do evento: sendo Área Vip, Extra Vip e Prime Villa Mix. 

Para as pessoas que optarem pelo reembolso de 50% do valor do ingresso, o mesmo será feito entre os dias 25 de outubro e 3 novembro no stand do evento, que fica no 1º do Flamboyant Shopping Center, entre 10:00 horas  e 22:00 horas, ou na loja AudioMix Store, localizada na Rua Terezina n. 380 Bairro Alto da Glória, das 8:30 horas e 18:30 horas.

Outras informações pelo telefone: 62 – 39328829 ou pelo site www.fabricamix.com.br 

O que houve
O show do cantor Pitbull, em Goiânia, na noite de domingo (14/10), não se realizou pela ausência do mesmo. O avião do cantor, que estava no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), não conseguiu autorização para decolar. O aeroporto teve todos os vôos cancelados desde as 19h55m de sábado (13/10), em razão da interdição da pista por um avião cargueiro acidentado que ficou  parado na pista. O aeroporto de Viracopos foi adiando a sua abertura. O que fez o cantor demorar a tomar providências.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A força da WEB contrasta com o poder econômico nas eleições 2012 http://t.co/MULjsoaw @Reinaldo_Cruz

Obrigado Goiânia. 

Gilson Caroço ajudou na eleição de Paulo Garcia do PT
Já tínhamos noção da força da Internet como meio de divulgação e propagação de ideias, mas como tudo relacionado a web muda como um passe de mágica e as informações viajam na velocidade da luz, fomos surpreendidos com o reconhecimento e o alcance que ela proporciona.
A Internet é capaz de gerar "marketing boca-a-boca" suficiente para fazer com que todas as pessoas, até mesmo aquelas que não têm acesso à internet, fiquem sabendo de tudo o que acontece no Brasil e no Mundo.
A Rede informou bem quem eram os candidatos na disputa por uma cadeira nas Câmaras Municipais por todo o País. Acreditamos que tenham escolhido os melhores nomes para ocupar o espaço e representa-los por quatro anos.
Gilson Caroço teve seu nome veiculado nas redes sociais por 90 dias, e duvido que as pessoas não saibam de bate pronto quem é este cidadão que concordou em colocar o seu nome na disputa por uma vaga no legislativo goianiense. Com a liberação da propaganda eleitoral, panfletos, cartazes, adesivos e santinhos passaram a compor o cenário urbano, sendo deixados muitas vezes nas calçadas e ruas enfeitando e as vezes poluindo o visual das cidades.
O cidadão Gilson José de Menezes, vulgo Caroço, prima por ser ético honesto e correto. Não contou com apoio financeiro para esbanjar em propaganda, e mesmo que tivesse este apoio ele não concordaria com os artifícios que quase todos os candidatos se fazem valer para conseguir a atenção do eleitor.
Na campanha do Gilson Caroço não houve poluição sonora.
Na campanha do Gilson Caroço não houve poluição visual.
Na campanha do Gilson Caroço não houve sujeira pelas ruas.
Na campanha do Gilson Caroço não houve contratação de cabos eleitorais, todos que vestiram a camisa estavam empenhados de forma voluntária.
Na campanha de Gilson Caroço não houve distribuição de combustível para quem colocou seethru ou adesivo em seus veículos.
Na campanha de Gilson Caroço não houve dispensa de sobras de santinhos em portas de zonas eleitorais, a fim de conquistar o eleitor indeciso e emporcalhar a cidade que ele queria cuidar.
Na campanha de Gilson Caroço não houve tentativa de comprar o voto do eleitor, oferecendo vantagens ou dinheiro pelo seu direito de escolha.
A sujeira provocada pelas propagandas criam problemas para as nossas cidades, produz toneladas de lixo, entope bueiros e isso não é prática que Gilson Caroço utilize para conquistar votos.
Gilson Caroço entrou na disputa propondo ser um candidato integro e diferente dos demais, desde que concordou em estar na briga por uma cadeira na Câmara Municipal de Goiânia, o candidato sempre pregou que não faria campanha como os políticos tradicionais.
Por que jogar santinhos na porta dos locais de votação se ele passou a campanha inteira pregando ser um candidato ecológico, que defende e preserva o meio ambiente? Não teria sentido fazendo campanha aliado do Prefeito da campanha sustentável.
A lei é severa e pega apenas os mais fracos e os “medrosos”, que mesmo sabendo que isso ou aquilo esta fora da lei insistem em violar as regras do jogo. Tubarões da política raramente são incomodados por estarem cometendo irregularidades em suas campanhas.
Não pode isso e não pode aquilo, mas mexe e vira tem sempre alguém praticando um delito eleitoral e a Justiça não é aplicada para quem infringe as regras na cara dura.
Jogar sobras de campanha nas imediações das zonas eleitorais é prática comum em toda eleição, assim como a compra de votos que acontece descaradamente. Seja na contratação de mão de obra que nunca será utilizada, na colocação de uma placa de apoio da família do eleitor, combustível para quem aceita adesiva o veículo, promessa de emprego ou mesmo dinheiro vivo para aqueles que se sujeitam ao cabresto.
A campanha de Gilson Caroço foi humilde, assim como os votos que recebeu, 134 no total, mas só estar envolvido no processo de forma limpa já valeu a pena ter participado.
O Brasil precisa de mais Gilsons concorrendo e a sociedade ter consciência de que em um País onde se gastam milhões em campanhas eleitorais, nem sempre serão eleitos os que vão lutar para que a saúde, a segurança e a educação tenham a mesma atenção e investimento que um pleito eleitoral.
A rapidez e a eficiência com que se apuram os votos no Brasil contrastam coma morosidade com que as pessoas recebem atendimento nos postos de saúde e com a qualidade do ensino publico brasileiro.
Valeu a participação nas redes sociais, valeu a interação com as pessoas nas centenas de visitas que foram feitas, valeu pelas muitas pessoas que conhecemos ao longo desta campanha e valeu muito mais por termos conseguido transmitir para algumas pessoas o censo de cidadania que deveria a muito tempo nortear as decisões políticas do Brasil.
O pouco mais de uma centena de votos obtidos por Gilson Caroço é reflexo da falta de competitividade no campo econômico, já que fez uma campanha sem nenhuma extravagância e promessas. A mensagem que foi levada até o eleitor foi a de um cidadão que se viesse a ser eleito, iria trabalhar muito dentro das limitações do cargo para fazer funcionar bem o que já existe.
Passado o pleito, contribuímos para a eleição do Prefeito Paulo Garcia e do vice Agenor Mariano e não lamentamos de forma nenhuma a derrota de Gilson Caroço, por que não encaramos como uma derrota, apenas como um sentimento de que Goiânia e o Brasil não estão ainda preparados para ter em seus quadros políticos, uma pessoa integra e honesta como Gilson José de Menezes.




Seguidores