Assuntos de Goiás TV

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Delator da JBS cita Governador de Goiás | Questão Brasil



Pouca gente tem duvidas que o Governador de Goiás poderá virar um novo Sérgio Cabral após terminar seu mandato. Delações da Odebrecht e agora da JBS colocam o Governador de Goiás cada vez mais suspeito de ser um político corrupto, tanto quanto tem se revelado o Sr Sérgio Cabral. Uma pena para os goianos.
 

E aquele R$ 1 Bi? Delator Ricardo Saud cita Marconi Perillo que diz em nota que não favoreceu JBS-Friboi – Assuntos de Goiás | Questão Brasil



Pouca gente tem duvidas que o Governador de Goiás poderá virar um novo Sérgio Cabral após terminar seu mandato. Delações da Odebrecht e agora da JBS colocam o Governador de Goiás cada vez mais suspeito de ser um político corrupto, tanto quanto tem se revelado o Sr Sérgio Cabral. Uma pena para os goianos.
 

E aquele R$ 1 Bi? Delator Ricardo Saud cita Marconi Perillo que diz em nota que não favoreceu JBS-Friboi – Assuntos de Goiás | Questão Brasil



Pouca gente tem duvidas que o Governador de Goiás poderá virar um novo Sérgio Cabral após terminar seu mandato. Delações da Odebrecht e agora da JBS colocam o Governador de Goiás cada vez mais suspeito de ser um político corrupto, tanto quanto tem se revelado o Sr Sérgio Cabral. Uma pena para os goianos.
 

Defesa não evita depoimento, Temer não ganha o tempo queria e Rocha Loures perde o Foro | Minha Otica Sobre Politica

Michel Temer é investigado, suspeito de ter cometido os crimes de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça. Seus advogados queriam tirar o caso das mãos de Fachin e ganhar tempo. 
Queriam, antes de tudo, evitar que Temer fosse ouvido já pela Polícia Federal. Politicamente isso seria bom para o presidente: Temer não quer ser o primeiro presidente interrogado pela polícia no exercício do cargo. 

Adiar esse desgaste seria ótimo para quem está na situação mais delicada da carreira, ameaçado de perder o cargo por um julgamento no Tribunal Superior Eleitoral e com a base de apoio no Congresso ameaçada de ruir. Mas Fachin decidiu que Temer terá de depor. 

A Polícia Federal enviará as perguntas por escrito e o presidente terá 24 horas para responder.
 

Michel Temer não está em uma boa posição para enfrentar momentos decisivos. A estratégia é ganhar tempo na política e na Justiça para, enquanto isso, tentar ganhar mais apoio no Congresso, torcer para o clima ruim diminuir e, mais ainda, para nada novo surgir na Lava Jato. 

Por isso o governo adiou, por exemplo, a votação da reforma trabalhista no Senado: uma derrota seria a prova que o governo não conseguirá cumprir sua missão mais importante. Seria um abalo forte demais.
 

Fonte: Defesa não consegue evitar depoimento de Temer - ÉPOCA | Lava Jato

Seguidores